Como desenvolver o pensamento crítico em casa com seus filhos?

Em sua coluna, Sofia Esteves mostra como integrar ao dia a dia das crianças ensinamentos essenciais para o futuro do trabalho

Pai em home office: pode ser estressante, mas o home office ajuda a passar mais tempo com a família (Cavan Images/Getty Images)

A quarentena trouxe inúmeros desafios, mas também boas oportunidades, como a de estar mais perto da família.

Por mais estressante que possa ser estar com as crianças e, ao mesmo tempo, em home office, é inegável a importância de se passar mais tempo junto aos pequenos.

Estamos tão acostumados à rotina agitada, que é comum pais e mães esquecerem da importância que exercem sobre o desenvolvimento das crianças.

No entanto, o futuro do trabalho – que já começou – requer profissionais ágeis, plurais e permeados de raciocínio crítico. Apenas com essas habilidades é que a criatividade e a inovação podem existir.

As competências citadas acima são importantes não só para a carreira, como também para a nossa vida como um todo. Afinal, todos os dias somos convidados a agir diante algum desafio pessoal, não é mesmo?

A neuroplasticidade cerebral nos permite aprender ao longo de toda a vida, mas é na infância – principalmente até os sete anos – que essa capacidade é mais presente.

Então, que tal aprender algumas ferramentas simples para desenvolver o pensamento crítico dos seus filhos?

Autoestima

Tudo começa pelo desenvolvimento da autoconfiança. Perceba se o seu filho tem um espaço seguro em casa para se expressar, mesmo que suas ideias e opiniões não sejam as esperadas.

Desvalidar a construção de pensamento dos pequenos gera repressão e eles passam a entender que não devem se colocar no mundo de forma original – ou serão rejeitados!

Quando seu filho apresentar uma ideia, incentive que ele continue pensando. Faça perguntas sobre como ele chegou àquele conceito, o faça refletir, ao invés de só dizer que ele está errado.

Outra forma de estimular a autoestima é fazer elogios às crianças, não só por suas conquistas, mas principalmente, sobre o esforço que fizeram para realizar algo – mesmo que não tenha dado certo.

Além de se sentirem mais confiantes a tentar de novo e, menos tristes pela “falha”, dessa forma eles também aprendem o valor da resiliência.

Conte histórias

Os desenhos animados são um belo descanso para os pais e as mães, não é mesmo? Porém, nada se equivale ao poder que um bom livro tem no desenvolvimento dos pequenos talentos.

Assistir TV estimula um comportamento passivo nas crianças. Já os livros, incentivam o raciocínio e a imaginação. Leia histórias para seus filhos e faça perguntas ao longo da jornada.

As perguntas são fundamentais para o desenvolvimento do pensamento crítico dos pequenos.

Por exemplo: pergunte o que ele acha que o personagem está sentindo, como ele acredita que seria um final mais legal e o que ele entendeu, ou aprendeu com a história.

Porque sim, não é resposta!

Quando seu filho lhe fizer uma pergunta, explique os motivos da resposta. Demonstre qual é o raciocínio que você criou para tomar uma decisão, ou chegar em uma explicação.

Nem sempre sabemos a resposta sobre algo e, é importante que ele saiba disso! Conversem sobre o assunto e pesquisem juntos a explicação, ou solução.

Reflitam sobre o dia

Na hora de dormir, convide seu filho a fazer uma reflexão sobre o dia. O que mais gostou, o que não foi legal, o que ele aprendeu, etc.

É interessante que você também fale. Isso fortalece a relação de vocês, já que ele passa a te conhecer melhor e, pode se inspirar na sua forma de expressar as emoções e os pensamentos.

Fale sobre sentimentos

Nem sempre eles possuem o vocabulário necessário para expressarem o que sentem. Logo, é importante que os pais ajudem as crianças a nomearem seus sentimentos.

Incentive que ele expresse suas emoções de formas variadas, além da fala. Por exemplo: se ele estiver triste, que tal fazer um desenho que represente o que ele está sentindo? Dessa maneira ele pode se perceber melhor e encontrar na criatividade meios de lidar com suas emoções.

Lembre-se, o autoconhecimento e a saúde emocional são as bases para uma vida saudável.

Apresente a pluralidade da vida ao seu filho

Nosso instinto nos convida a proteger nossos filhos de qualquer realidade que não seja a que buscamos construir para eles, não é mesmo?

No entanto, é muito importante que ele conheça desde cedo as diversas facetas que compõem a vida. Para fazer isso de uma maneira gentil, você pode começar mostrando a cultura de diferentes países a ele.

Quando você sentir que ele está apto a lidar com esferas da vida mais complexas, é importante que ele entenda a existência de cenários mais tristes, como a pobreza.

Entender que existem outras maneiras de viver, além da própria realidade, é essencial para que ele desenvolva a diversidade de pensamentos e a empatia – o que irá fortalecer o pensamento crítico.

Desejo a vocês boas descobertas!

Fonte: Por Sofia Esteves – Revista EXAME